quarta-feira, 2 de outubro de 2013

É muito mais que R$ 0,20


Revisão de 42 meses do Ford "Katzo", pela manhã:

- Me dá um desconto? 10% pode ser?
- Olha é complicado, só posso dar 5%...
- Ok, tá valendo.

No final da tarde, na hora de pagar a fatura:

"Desconto 0%"

Penso em justificativas pra não cobrar o desconto, já que a nota estava pronta e já estava prestes a pagar. Não, não havia justificativa alguma. O Combinado não é  caro. Lutei contra a inércia, lembrei da personagem Lucy (namorada de Raj da série Big Bang Teory), que cortava o cabelo do mesmo jeito desde a adolescência porque não tinha coragem de questionar ninguém. Na hora a vontade de deixar quieto passou:

- Mas e o meu desconto?

Resultado: Poupei R$ 73,00. É muito mais que R$ 0,20. É pela dignidade. Essa não tem preço.

Honestidade


Para o comerciante até a honestidade é uma especulação financeira.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Controlar 2013

Paguei o boleto Sexta, ontem troquei óleo + filtro de ar e de combustível e marquei pra hoje a avaliação do Controlar (primeiro dia fora do prazo, 7:20 da manhã). E PAÇEI!


O nome é Controlar. Mas deveria ser "Controllar". Porque é uma trollagem.  



E mudando de pato pra ganso, uma boa:

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Janeiro Atípico



Um mês de Janeiro no qual a semana toda preciso sair de blusa pela manhã. Em 4 anos nesta indústria vital, está é a primeira vez que isso me acontece. Mas não tenho essa visão de atribuir isso ao "aquecimento global", às "mudanças climáticas" e coisas caóticas e catastróficas Ltda. Basta pegar os Janeiros da história. Alguns tiveram temperaturas abaixo da média. Tal qual o corrente. Normalíssimo. Mas sabe como é. É o gosto pela crendice, pelo apocalipse, pela dramatização de tudo, como já havia comentado antes sobre outros assuntos. Com isso, não quero negar a existência do aquecimento global, nada disso. Apenas discordo da ideia de ele ser "acusado de coisa que não devia" por tudo que acontece no planeta, incluindo fenômenos naturais.

Aí na aula de Laboral, a teacher manda fazer agachamentos e solta a seguinte pérola durante a execução dos mesmos: "Ah, é pra queimar" (calorias). UEEEEPAAAA!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

A Dieta em Câmera Lenta. Resultado: Deu certo não!

Há um ano, em muitas palavras, escrevi sobre uma maneira particular de perder peso, a qual denominei  Dieta em câmera lenta, conforme pode ser visto aqui. O foco da dieta não era a quantidade de peso perdido, irrisórios 500 gramas por mês, mas a constância do processo a longo prazo. Quando criamos alguma coisa, a expectativa sempre é de êxito. Mas a realidade que veio depois, não foi bem aquela que eu havia planejado! O objetivo era chegar aos 66,5 quilos ou 14% de gordura corpórea. Em Setembro cheguei aos 68,4 kg, apenas 1.900 g acima da meta final, que deveria ser alcançada em Dezembro. Porém esse resultado foi obtido de forma meio abrupta, como se pode observar nas bolinhas entre Julho e Setembro. Justamente o princípio oposto da dieta. Não à toa, o efeito sanfona mais uma vez se fez presente.


Perder pouco peso e de forma constante, realmente não dá certo. Porque é difícil manter o foco e principalmente o controle, sobre 500 g por mês. É complicado manter o foco, porque sabendo que precisa perder pouco peso, você acaba naturalmente, até de forma inconsciente, não se esforçando para tanto. É difícil manter o controle, porque 0,5 kg é um valor que pode muito bem estar numa margem de erro. Uma retenção de líquidos, uma desidratação, intestino preso, o horário da pesagem, enfim, vários fatores podem significar meio quilo a mais ou a menos.

Sobre o horário da pesagem eu havia afirmado:


"Uma dica importante é sempre realizar a pesagem após a última refeição do dia. Nas piores condições possíveis. O lance de se pesar depois de uma marombagem lascada é furada total. Porque causa a ilusão de que você está pesando bem menos. Já cai muito nesse golpe. Depois de uma refeição, o corpo recupera e recupera forte os líquidos e sais perdidos. Inclusive os 66,5 quilos que cheguei a atingir foram nessas condições, ou seja, não eram reais. Esse lance de se pesar desidratado só vale mesmo pra lutadores no dia da pesagem oficial antes de uma luta. Aqui um “causo” curioso about this, ocorrido com Vitor Belford."

Falei bobagem. Tudo bem que após atividades físicas nosso peso pode estar um pouco mais distante da realidade. Eu mesmo já cheguei a aumentar quase 2 Kg de um dia pra outro, só recuperando líquidos perdidos. Porém, o importante é manter sempre o mesmo referencial. Você pode se pesar depois de treino. Desde que a próxima pesagem seja também depois de um treino, de forma que a comparação seja justa. Psicologicamente é melhor, mais motivante fazer pesagens após atividades físicas. Só o que não vale é comparar uma pesagem depois do almoço de domingo com outra logo após 1 hora de esteira. 

Voltando a ideia central, perder peso a longo prazo realmente não deu certo comigo. Penso que a melhor solução é intermediária entre esse método slow motion e dietas malucas com perda significativa de peso em pouco tempo. 

Então, desenvolvi uma nova proposta. Partindo do pressuposto de que há peso excedente a ser perdido e que os primeiros quilos são mais fáceis de eliminar, então posso tentar elimina-los de forma rápida.  Mas isso varia de pessoa pra pessoa. Pro meu caso, que tenho 1,70 m e 71 kg, resolvi que 2 quilos em duas semanas é um bom começo. 8 vezes mais do que os 250 gramas. Perdendo em duas semanas o que levaria 4 meses na dieta em câmera lenta. Realmente esse nome câmera lenta foi apropriado!


Levei a ideia adiante. Deu certo. Tudo bem que tive que correr na ciclovia por 40 minutos no dia da pesagem e perder 900 gramas de uma vez (e depois recuperá-las facilmente) e inclusive utilizando a tática "Belfordiana" para eliminar as últimas 100 gramas,  mas não importa! =) 

Entre 22/01/12 e 02/02/12: - 2 Kg


A partir daí as metas devem ser mais conservadoras. Eu estabeleci metade da primeira meta, devendo perder mais um quilo em mais duas semanas. E depois o que vier  é lucro, sem prazo pra atingir metas. 

Mas o lance é não ser muito rígido. Mais importante do que um corpo em forma é a própria saúde. É melhor ter sempre uma barriguinha do que um tanquinho efêmero. É melhor não chegar ao "peso ideal", mas manter sempre a integridade física. O "corpo ideal" é passageiro e às vezes inalcançável, mas lesões nos joelhos, quadris, ombros, tendinites, bursites, etc., muitas vezes, podem ser permanentes.  

Em relação à alimentação, a mesma coisa. O importante é comer o que se tem vontade,  mas sem cometer abusos. Saber diferenciar o que é uma vontade legítima de comer uma guloseima especial do que é "ollho maior que a barriga". Tenho muita preguiça e acho um porre esse lance de ficar fazendo  tabelas de calorias com os alimentos. Não sei como a mulherada (e até alguns homens) aguentam esse tipo de coisa. É muito menos estressante fazer essa contabilidade de maneira desencanada. Lembrar que se rolou uma feijoada, a cota de "abusos do dia" já foi extrapolada. E da mesma forma, se o seu café da manhã foi tosco, você pode e deve comer aquele mega pão de queijo.  Também acho bobagem cortar alimentos que gostamos. Adoro pães, massas e doces em geral. Não vivo sem. Por outro lado carboidratos são sempre vistos como vilões do sobrepeso. Não importa. Só se vive uma vez, como disse o meu ortopedista.

Outra coisa não menos importante. É preciso estar satisfeito em praticar atividade física. Os momentos em que estive em melhor forma até hoje, foram aqueles nos quais estava menos preocupado com isso. Em ambas as épocas eu dormia muito bem, pelo menos 7 horas por noite, o que também é relevante.

Em suma: perder peso a longo prazo não deu certo. A minha alternativa agora é perder peso de forma desencanada. A dieta desencanada. Ela começa perdendo uma certa quantidade de forma rápida, partindo do pressuposto que parte do sobrepeso é teoricamente mais fácil de eliminar e que resultados imediatos são motivadores. Em seguida vem a fase desencanada, na qual o importante é continuar tentando. Mas sem grandes sacrifícios.  

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Tempestade em copo d'água



Ontem, fui ao Mc Donald's da Praça Panamericana. Levei minhas gororobas pro andar de cima, pra degusta-las ao ar livre. Tinha um cara comendo um sanduba sussa. De repente veio um besouro. Um besouro grande, mas um simples inseto da ordem Coleoptera. Que resolve avoar perto do mecionado cidadão. Que começa a se recontorcer quase que epileticamente. Com isso, seu sanduba voa longe esparramando carnes, cebolas e molhos. O ambiente estava calmo e deu pra ouvir bem o som macio de "pluft" da iguaria gastronômica americana de encontro ao chão. Pensei: "Que merda, o cara perde o almoço só por causa de um inseto..." Não sou de rir de pequenas mazelas. Apenas senti uma certa vergonha alheia e fiquei na minha pra não deixar o cara mais constrangido ainda, embora apenas eu, uma funcionária e uma senhora fossemos testemunhas. 

Mas nem terminei de refletir sobre a cena anterior e algo mais esdrúxulo sucede: O besouro em seus voôs radiais, se reaproxima da "vítima". Que num novo espasmo, tentando acertar o bicho com uma cortada de volei e ao mesmo tempo se esquivando como se estivesse fugindo de um jato de ácido, acaba se desequilibrando e caindo de maneira ridícula entre sua mesa e a mesa vizinha, que por sorte estava desocupada. Tipo uma jaca caindo na calçada. "Taí um corpo estendido no chão" como diria Januário de Oliveira. Ainda me lembro da sua cara de indignação. Aquela cara de "puta mundo injusto meoo", com o corpo embaraçado aos assentos metálicos. Aí sim, fomos surpreendidos novamente! Agora era eu que estava constrangido. Como percebi que o sujeito não havia se machucado, achei melhor ignorar a cena e vazar logo de lá, já que, oportunamente, tinha acabado de tomar o último gole de suco. 

E aí fiquei pensando. Esse cara nunca viu um besouro? Como um marmanjo, alto, aparentando ter por volta de 25 anos (ou talvez um pouco menos) pode ter tanta aversão a um simples bicho? Não dava só pra mover o braço discretamente pra espantar o inseto invasor? Cheguei a duas conclusões: 1- Mulheres tem razão quando reclamam da quantidade de homens no "mercado" 2 - Essa geração Playstation, criada a leite com pera e "ovomaltino" gelado e as gerações seguintes ainda vão acabar furando as projeções de expectativa de vida humana nas próximas décadas. Tudo evolui, mas a civilização urbana está cada vez mais frágil psicologicamente.
  

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Vanessão, Jeremias, Isabela e Formiguinha Kid em: Mesa Redonda das Celebridades do You Tube - By Massa Prdoduções

O que aconteceria se algumas celebridades do You Tube como Jeremias, Vanessão, "Cabelo Tonight", Véinho que comeu e não pagou, Profissional do "Séquissu", Garota "DOOVE", Menininha da "Póta", Menininho da formiguinha, Coroa do Tapa na Pantera, Josias "Oi Frrenanda", Tiozinho "O Boné é meu", dentre outros, se reunissem para um acalorado debate? A resposta, está neste singelo vídeo.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

5 Km - 30'


Hoje mais uma vez é aprendi como é benéfico saber interpretar os sinais do corpo. Meus joelhos doeram pela manhã e tarde. Hora de ir pra academia e me veio o pensamento óbvio: melhor poupar, não ficar forçando os coitados. Mas aí sei lá porque me veio o pensamento iluminado: "Não! Essa porra desse joelho tá ruim de tanto ficar dobrado, sentado na frente de um PC! 8 horas diárias no escritório. E mais uma duas em casa!" E é verdade. 


Como o meu joelho ia gritar por eu estar usando ele demais, se eu não ando fazendo 1/3 da atividade física que fazia há cerca de 3 anos? (Tanto que a dieta revolucionária que inventei no começo do ano, está sendo um fracasso! rsrsrsrs) Aí resolvi arriscar. Fui pra academia, nadei, fiz musculação pras pernas e depois corri em meia hora na esteira à 11 Km/h e uma distância de 5 Km. (Um ritmo bom pra quem anda fora de forma). O joelho doeu bem menos do que doía apenas andando ou de pé parado, na parte da manhã. Fazia tempo que eu não corria 30 minutos tão à vontade na esteira, sem sentir dores aqui e ali como hoje.

domingo, 31 de julho de 2011

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Rotina

Semaninha bem chata. Além do frio, a Nice tá sem Laka desde segunda! =( E eu não posso ficar numa "nice" sem o Laka da Nice. Bom, melhor ser viciado em Laka do que em Oxi!

Sei lá. A rotina é algo que "embundece" a psiquê do cidadão! Acho que está na hora de uma revolução na sociedade. O trabalho precisa ser feito metade em casa metade no ambiente de trabalho. Pô, pra que serve a Internet??? Só pro Steve Jobs vender IPad 2 por uma fábula, depois que nós trouxas compramos o Ipad 1 com muito custo?

Sei lá, mil coisas. Não seria sensacional se a terra girasse ao contrário devido à algum fenômeno caótico sem precedentes? Até abdico da neve em SP
se isso acontecer! (Sempre digo que, se é pra fazer frio aqui, que se faça com categoria!)=) Qual seria o resultado? De repente poderíamos voltar pro espaço fisíco de 1984, mas com a consciência atual. Já pensou??? Um monte de coisas desapareceriam - incluindo a porra do IPad - e já saberíamos todo o futuro. Seria uma segunda chance para a humanidade. Para consertar as cagadas  falhas dos últimos 25 anos. E ao invés de um Ford Ka eu teria um Gol Vermelho  batedeira da primeira geração.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Doenças Pós Modernas II - A Síndrome de Percival de Souza

O indivíduo acometido por esta enfermidade sente uma vontade incontrolável de dizer coisas óbvias. O nome da doença foi baseado no caso mais agudo já registrado, do jornalista Percival de Souza.
Acompanhe as imagens:

 Exemplo I

- Olha lá gente, imagens ao vivo! Os manifestantes começam a atirar pedras na direção dos policiais!


 


- A pedra é um objeto cortante e pode até machucar com gravidade quando utilizada como arma.





Exemplo II

 
- Hoje dia, 14 de Janeiro, choveu cerca de 100 mm! Quase metade do esperado para o mês!


 


- É Reinaldo, a chuva em excesso causa transtornos de toda ordem ao paulistano, a situação é muito difícil e a continuar chovendo, a situação só irá piorar.

Doenças Pós-Modernas - Síndrome de Ronald Mc Donald # Exemplo 3

O caso mais famoso da enfermidade =)

Contribuição da minha amiga Gleice.

domingo, 8 de maio de 2011

Músicas Massas de Abril


Jessie J - Price Tag ft. B.o.B.


A Jessie J. é "pratecamente" uma fusão de Lily Alen com Nelly Furtado!


The Black Eyed Peas - Just Can't Get Enough



Rihanna - What's My Name? ft. Drake


segunda-feira, 18 de abril de 2011

"Não existe trabalho ruim. Ruim é ter de trabalhar" - By Sr. Madruga


O fato de hoje ser na prática uma quarta feira, não me anima, tampouco me deprime, muito pelo contrário. Ou não... Bom, só estou esperando às 17:00 de quarta feira (com cara de sexta), desde já!

Telemarketing... Eu ia dizer que essa deveria ser uma profissão a ser abolida. Imagino o quanto deve ser difícil estar com problemas pessoais e ainda ter de encher a paciência própria e alheia repetindo as mesmas coisas durante horas. Imagino que a auto estima de um operador de TLMKTG sofra uma queda vertiginosa ao longo dos meses e anos de profissão. Eu disse que ia dizer que deberia ser abolida. Mudei de idéia. É porque me lembrei de cortadores de cana que à essa hora estão no sol fazendo movimentos repetitivos e com dores nas costas, dos lixeiros, dos serventes de pedreiro, das costureiras em regime de semi escravidão e escravos propriamente ditos em regiões distantes do Brasil e tantas outras pessoas sofridas. E eu aqui reclamando, mesmo trabalahndo em algo muito menos estressante do que telemarketing. Parei. Vou voltar pro trabalho e esquecer do entardecer de quarta feira.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Músicas Massas de Março

Não ligava pra essa música até ver esse clip:



Música legal. O que estraga é a introdução gigantesca dos clipes da LG.



Já não é tão novidade, mas o clipe é ótimo. Muito criativo e com excelentes efeitos e metáforas sensacionais!




terça-feira, 22 de março de 2011

Patcha que la Paria, Eu sou Feliz e Como...

A idéia desse post surgiu durante uma noite de insônia internado no Hospital, após realizar a tal da  Artroscopia de Quadril. Vou desenvolver esse post aos poucos.  

domingo, 13 de março de 2011

Não adianta falar. É preciso fazer.


Não adianta criar alguma coisa. É preciso que essa coisa funcione. Sabedor disso, eis os primeiros resultados da Dieta em Câmera Lenta.

1 - 71,300 Kg - 08/02 - OK.
2 - 71,050 Kg – 22/02 - OK.
3 - 70,800 Kg - 08/03 - OK.
4 - 70,550 Kg - 21/03 - Será?

Objetivo Final em Dez/2011: 66,5 Kg ou 14% de gordura corporal, independentemente do peso.

Por enquanto tudo certo. No entando, todavia, porém...parece que eu já estava adivinhando, ao dizer que a vida por si só é algo inconstante:

"Você pode até ser viciado em exercícios e estar em forma hoje. Mas vai saber se amanhã será promovido e não terá tempo de ir pra academia, se terá que viajar, se vai engravidar, se terá que fazer uma operação e ficar um tempo de molho ou se vai mudar de emprego e a comida da região é mais calórica."

Pois é. Dia 22/03 entrarei na faca. Artroscopia de Quadril. Fiquei sabendo disso há cerca de um mês e desde então parei com os exercícios aeróbicos. Fato que atrapalha um pouco minha dieta. Mas não vou desistir. Isso significa que, no período que ficarei inativo, terei que compensar a falta de atividade física com ingestão de menos calorias.

Tenho uma fissura no labrum (labral tear repaired na figura abaixo), que é uma estrutura fibrocartilaginosa situada entre o fêmur e o acetábulo.


Pra quem quiser saber como é realizada uma artroscopia de quadril, segue a animação abaixo:

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A Dieta em Câmera Lenta (Slow Motion Diet)

Não é possível derrotar um grande inimigo enquanto não reconhecermos o quão poderoso ele é. E eu reconheço que a gula é um inimigo realmente poderoso. Basta ver o que me aconteceu ao longo de um ano:

Clique na imagem para ampliar. Efeito sanfona lascado. Nem sanfona mais...É efeito acordeon.

Em Fevereiro de 2010, 69,9 Kg. Motivado pelo então recém adquirido Wii Fit e seus grafiquinhos motivadores, cheguei aos 66,5 Kg em Maio, muito próximo do que seria o meu peso ideal. Porém, imediatamente após alcançar o objetivo, sucumbi à eterna fraqueza humana do relaxamento. Mês a mês, o peso foi aumentando. Até chegar a estratosféricos 72,7 Kg após um ano de monitoramento. Mesmo que nesse ínterim, possivelmente tenha ganhado 1 Kg de massa muscular, ainda é um valor meio alto. Minha pança sobressalente e calças apertadas que o digam. Quanto mais tentei voltar à boa forma, mais engordei em seguida.

A ansiedade nos instiga a reconquistar o que foi perdido imediatamente. Pra ontem! E isso vale pra tudo. Por exemplo, alguém que termina um relacionamento e tenta desesperadamente uma reconciliação. E se esquece do esforço que fez pra conquistar a outra parte no início da relação. Mas ao invés de tentar corrigir as falhas, muitas vezes a pessoa quer impor sua ansiosa vontade. E aí a coisa degringola de vez. É jogada a pá de cal que faltava. Sei lá porque motivo, ficamos cegos quando perdemos algo. Ignoramos que a volta por cima requer tanto ou até mais esforço do que foi empreendido para a conquista do objetivo. Se pra conquistar sua mina você já teve que se esforçar quando aquela pouco o conhecia, porque diabos acha que agora, que ela conhece bem seus defeitos, vai reconquistá-la imediatamente?

Comigo, nesse lance de recuperar a boa forma, não foi diferente. Quando voltei a engordar e cheguei a casa dos 70 Kg, meu objetivo imediato continuava a ser os 66,5 que cheguei a alcançar com dois meses e meio de dedicação. Na minhas idéias de girico, achava possível emagrecer 4 quilos em duas semanas. (Tempo mínimo das metas do Wii Fit). Tentava, na medida do possível, não abusar de guloseimas e ao mesmo tempo aprofundar os laços de amizade com a esteira (aquela que me derrubou nesta passagem) e com a ciclovia. No dia do dead line, invariavelmente a mesma coisa: distância abissal entre meu peso e meta pretendida! Outras vezes conseguia a proeza de engordar. Tentei metas menores, como perder 2 Kg e até 1 Kg em duas semanas. Missed! Disgusting...

Então resolvi reconhecer a força do inimigo. Percebi que não conseguiria vencê-lo de imediato, como a ansiedade e a impaciência humana vinham me obrigando. Então parti para uma estratégia totalmente oposta: A dieta em câmera lenta. Consiste em eliminar 0,5 kg por mês ou 250 g a cada duas semanas. Posso comer lakas, pudins da Nice, cornetos e tijolos de 2L de sorvete, beber Coca-Cola e ir no Mc Donalds e Habibs à vontade. E no início, nada de correr e suar muito. Mas como uma dieta caótica dessas pode dar algum resultado? Associada a Herbalifes e Foreveres da vida? Não, claro que não! A segredo da bagaça é o tal do “um passo de cada vez”. É uma dieta que dá tempo ao tempo.

Pois bem, se comecei a dieta com 71,550 Kg, o que preciso fazer pra perder 250 gramas em duas semanas? Simplesmente nada! Partindo do pressuposto que todo mundo começa dieta numa segunda feira, após um Domingão bem calórico, ou que esta geralmente se inicia após um período de muita comilança e peso na consciência, basta não abusar. É só comer o que se come normalmente todos os dias. Não é preciso sequer fazer exercícios. O primeiro objetivo da longa dieta, está literalmente no papo! Começar a partida fazendo 1 a 0 logo na saída, sem mover nem uma palha é um belo incentivo. Sim, alcancei os 71,300 no dia 08/02, conforme o previsto. Sabendo que seria muito fácil, aproveitei pra me empanturrar. Cheguei aos exorbitantes 72,7 Kg na primeira semana. Depois, parei de abusar e de forma natural atingi 70,9 Kg no dia da pesagem. Não só alcancei a primeira meta, como também a meta seguinte. Mas nada de cair na tentação de acelerar as coisas. Se as circunstâncias lhe derem uma mão, nada de querer o braço! Emagreceu mais do que o esperado? Aproveite e coma! Meu objetivo continua sendo perder 250 gramas nas duas semanas seguintes em relação à meta anterior, ou seja, chegar aos 71,05 Kg. Poderei me dar ao luxo de engordar 150 gramas. =)

O grande pecado é entrar numa academia, sofrer e suar e o objetivo não alcançar. Depois de semanas ou até mesmo dias, passada a empolgação inicial, para a maioria das pessoas esse esforço torna-se um fardo. “Ah, hoje tô cansado, não vou na academia não.” Uma falta. Depois duas. Em seguida, uma semana longe da academia. Até desistir. É a tendência natural quando não se obtém uma recompensa imediata. Muito disso acontece porque fazer exercícios não é garantia nenhuma de perda de peso. É preciso fazer muita, mas muita atividade física pra conseguir emagrecer rapidamente. O que é inviável pra grande maioria que acaba de se matricular na academia, (pra não dizer 100%) pois normalmente estavam sedentários. E mesmo para aqueles que batem cartão na esteira, transport, bike e jumper, não significa necessariamente que o esforço será recompensado. Porque o corpo precisa e clama por alimentos pra recuperação da energia gasta. No frigir dos ovos, a menos que você se torne um tri-atleta, fazer exercícios serve apenas para manter o peso atual. No máximo para ajudar a diminuí-lo, porém de modo discreto. “Ah, mas teve uma época que eu emagreci 5 quilos em um mês”. Mas você está disposto a fazer o que fez naquele mês pro resto de sua vida?

Uma característica que parece ser inerente a nós seres humanos imperfeitos chama-se inconstância. Além do que, por mais constantes que tentemos ser, a vida é inconstante. Você pode até ser viciado em exercícios e estar em forma hoje. Mas vai saber se amanhã será promovido e não terá tempo de ir pra academia, se terá que viajar, se vai engravidar, se terá que fazer uma operação e ficar um tempo de molho ou se vai mudar de emprego e a comida da região é mais calórica.

Posto isso, pensei em tentar um método que minimizasse essas dificuldades associadas ao processo de emagrecimento. Logo, perder pouco peso, mas perder sempre é, aparentemente, a solução. Adaptando o lema das padocas: “Perdemos bem, para perder sempre!” O que são 250 gramas em duas semanas? São aproximadamente 18 gramas por dia. Resumindo a dieta slow motion em uma frase: Gaste 18 gramas a mais do que ingeriu todos os dias. É aí que está a pega desse método pouco ortodoxo que pretensiosamente quero fazer vingar. A própria pessoa vai regulando a dieta de modo que não seja obrigada a fazer grandes sacrifícios. Um pedacinho minúsculo de pão a menos (literalmente regulando mixaria =)), 20 polixinelos, uma subida pela escada do prédio, fazer caretas na frente do espelho, gastar 10 minutos a mais beijando a esposa ou...é... bom... Qualquer coisa serve pra alcançar o primeiro e simples objetivo. É lógico que não é pra ninguém ficar com uma calculadora na mão. Essas 18 g por dia são apenas um referencial incentivante. No meu caso, posso, por exemplo, chegar no dia pesando meio quilo a mais, fazer meia hora de esteira e missão cumprida. Essa é mais uma vantagem da dieta: o alto de nível de personalização. Você decide como vai perder peso. Não importa como. A única regra universal e inalienável é perder 250 gramas em quinze dias ou 0,5 Kg em um mês.

E assim, de duas em duas semanas ou a cada mês, de acordo com o gosto do freguês, é preciso dar um jeito de perder uma merreca de peso. Se nas duas primeiras semanas não é preciso fazer nada, nas duas seguintes talvez descer um ponto antes do busão ou subir e descer dois andares pelas escadas ou comer um pedacinho de pão a menos no café... Aí, nas duas semanas seguintes, descer dois pontos antes. Ou subir e descer 3 andares .Ou cortar mais um pedacinho de pão além daquele das semanas anteriores. Se você toma cerveja todo dia, comece cortando a bebida em um dia da semana. Se não for muito sacrifício, depois corte dois. Se eliminar três brejas for demais pra você, elimine outra coisa. Se não conseguir achar outra coisa, faça um pouco mais de atividades aeróbicas.  

Não tem essa história subjetiva de “até o fim do ano”, “até o verão”, “até o casamento”. Numa dieta convencional, ao não conseguir a primeira ou segunda meta, invariavelmente a pessoa desanima e chuta o balde. Com uma meta bem definida, simples de alcançar e no curto prazo, a possibilidade de obter êxito é grande. E alcançando as duas primeiras metas, a motivação vai aumentando, ao contrário do que costuma acontecer. Nessa dieta em câmera lenta, sabendo que o acerto de contas com a balança está sempre próximo, a tendência é a pessoa se policiar para não cometer exageros ou tentar compensa-los de alguma forma.

A medida que a dieta vai evoluindo, o nível de dificuldade vai aumentando. A grande diferença é que o cidadão já está acostumado e cada vez mais motivado a levar a bagaça adiante. Chegará uma hora que terá que ao invés de usar “ou” passará a usar “e” combinado as alternativas. Subir e descer 3 andares “e” comer menos pão com nutella no café.

Uma dica importante é sempre realizar a pesagem após a última refeição do dia. Nas piores condições possíveis. O lance de se pesar depois de uma marombagem lascada é furada total. Porque causa a ilusão de que você está pesando bem menos. Já cai muito nesse golpe. Depois de uma refeição, o corpo recupera e recupera forte os líquidos e sais perdidos. Inclusive os 66,5 quilos que cheguei a atingir foram nessas condições, ou seja, não eram reais. Esse lance de se pesar desidratado só vale mesmo pra lutadores no dia da pesagem oficial antes de uma luta. Aqui um “causo” curioso about this, ocorrido com Vitor Belford.

Penso que é um método viável para quem quer peder até 18 quilos. O que levaria 3 anos. Parece uma eternidade para nós impacientes e angustiados seres humanos. Mas não é! Basta pensar: Há quanto tempo estou tentando emagrecer e não consigo? Muito mais do que 3 anos em vários casos. Porém em 1 ano o resultado já é visível. Em 1 ano e meio o resultado já é excelente. Temos a mania de focar as coisas no sim ou não e no antes ou depois. Mas esquecemos do DURANTE. Já dizia aquela famosa citação:

“O melhor da conquista não é a conquista em si, mas o caminho percorrido”.

(Qualquer coisa assim, não consegui achar no Google XD )

Primeira Meta: 71,300 Kg - 08/02 - OK.
Próxima meta: 71,050 Kg – 22/02.  A ver.=)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...